• ControlSoft

EUA terão de destruir toneladas de grãos danificados pelas enchentes



Os cenários criados pelas enchentes no Meio-Oeste americano continuam preocupando e entristecendo. Em uma de suas piores crises financeiras em mais de 20 anos, os produtores americanos ainda não conseguem nem mesmo contabilizar seus prejuízos diante dos elevados níveis da água alagando cidades inteiras e suas propriedades.

"Capítulos inteiros em livros serão escritos sobre isso, livros serão escritos sobre essa tragédia toda", disse o professor da Universidade de Nebraska, Keith Glewen, ao jornalista Mike McGinnis, do portal americano SuccessfulFarming.

Os estados mais afetados até este momento são Nebraska, Missouri, Iowa, Wisconsin e a Dakota do Sul. E uma das questões mais difíceis de serem respondidas é sobre o volume de grãos perdidos depois que a força da água destruiu centenas de silos cheios pelo Corn Belt.

De acordo com um jornal local de Iowa, somente no condado de Waterloo-Cedar Falls, estima-se que o volume perdido de soja seja de aproximadamente 10,6 mil toneladadas (390 mil bushels) e mais de 30 mil toneladas de milho (1,2 milhão de bushels) de milho embaixo d'água. Na região dos armazéns próximos ao rio Missouri - um dos mais afetados com as cheias - há ainda mais milho estocado que foi danificado.

E todo esse montante de grãos - e os volumes que sofreram o mesmo dano - tem que ser destruído, afirma a Iowa State University.


E a chegada da primavera nos Estados Unidos não vai ser fácil para os produtores americanos. Segundo informações do NOAA - o serviço oficial de clima do governo dos EUA - afirma que a estação começa com chuvas acima da média nas regiões já afetadas e pode tornar ainda mais sério o risco com enchentes no país.

Além das chuvas excessivas, as espessas camadas de neve que ainda podem ser vistas em alguns estads do Meio-Oeste também deverão começar a derreter, aumentando o volume de água. E esses elevados níveis da água podem comprometer ainda mais estruturas armazenadoras de grãos.

"De acordo com a atual política da Administração de Drogas e Alimentos, os grãos que passaram pelas inundações causadas pelos cursos descontrolados dos rios ou pela água da chuva são considerados adulterados e têm de ser destruídos. A situação atual é de inundações pela água do rio, e não de água acumulada pela chuva, para a qual existem opções de salvamento. As águas das enchentes dos rios podem trazer muitos perigos e deterioração rápida", explicam os engenheiros agrícolas da Universidade de Iowa e Dan Loy, do Iowa Beef Center, ao SuccessfulFarming.

O transporte desses grãos também está comprometido e quase impossível de ser feito. E o melhor é que, de fato, não seja, segundo explicam especialistas americanos.

E estes mesmos especialistas afirmam que tentar salvar parte desses grãos, como retirando as porções mais ao topo dos silos também pode ser bastante arriscado por conta da contaminação. Caso seja feita isso, o importante é cuidar desses "melhores volumes" antes de mexer com parte ruim, segundo alertam.

À Reuters Internacional, o produtor rural de Winslow, Nebraska, disse nunca ter visto algo semelhante na vida e relata que perdeu dois silos inteiros cheios de milho. "Estávamos dependendo desses grãos para alimentar nosso plantel, mas agora toda nossa ração se perdeu e tudo se tornou ainda mais difícil. Não temos feito qualquer dinheiro com os grãos dados os problemas comerciais e os baixos preços", diz.

Na medida em que as águas começam a baixar em alguns pontos, os prejuízos e estragos começam a aparecer. De cidades ilhadas à propriedades perdidas em sua totalidade, os agricultores começam a enxergar também os desafios que terão para a próxima safra, que já deveria ter sido iniciada em alguns pontos.

Com a destruição de muitas rodovias e pontes, além da obstrução de ferrovias, a movimentação de produtos insumos fica travada, podendo, por exemplo, atrasar a entrega de sementes a alguns locais. Além disso, há estados onde os campos estão sem qualquer condição de trabalho.

As perdas estimadas somente para o Nebraska passam de US$ 1 bilhão, enquanto em Iowa podem passar de US$ 150 milhões em prejuízos em estruturas, maquinários e aproximadamente 100 mil acres de terra que estão embaixo d'água.

#Chuva #EUA #Grãos #Danos

10 visualizações